domingo, 28 de agosto de 2011

Só nas agulhas

Esse cachecol comprido e fofinho fiz para presentear uma vizinha.
Não consegui pegar o detalhe da lã que esqueci o nome, claro. Mas é muito agradável ao toque. Muito macio e quentinho. Fiz com aquele ponto do cachecol que estica entremeado com cordões de tricot para ficar leve. Quase que fiquei com ele rsrsrs


Botinhas para aquecer os pezinhos do Bernardo. Fiz com o cano alto para colocar por cima da calça do pijama. Aprovadíssimo
E ainda fazindo squares para a amntinha do Davi.
Por hoje é só.
Ainda finalizando a produção de inverno que o calorzinho já vem chegando. Neste ano não quero deixar nada começado. A única exceção vai ser a colcha da cama do Bernardo. Essa não vai dar para terminar pois além dessa mantinha ainda tenho que fazer as mangas da blusa do filho ( que já fiz e desmanchei 10 vezes) e as do meu casaco.
E chega de lã!
Quero fazer uma blusa de crochet bem abertinha para esse verão, umas capas de almofada e outras coisinhas pequenas e rápidas.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Refrigerantes ou sucos????? Livros em papel ou digitais?????? Antiguinho ou moderninho????


Assim que vi essa imagem no blog da Andrea, do cantinho Shabby, fiquei extasiada. Dá vontade de tomar litros de sucos!
Já me decidi por uma suqueira muito prática. Há tempos atráss vi um filtro que só tem a parte de baixo transparente,  num supermercado e fiquei pensando: Como assim? Um filtro sem filtro???? Bem, agora será uma suqueira.
Já pensou em servir um mate geladinho? Limonada? Suco de abacaxi? Hum!!!!! A PAI XO NEI!!!!!
Dá vontade de nunca mais servir um refrigerante numa festinha. E será por que a gente faz isso? Sabendo que o doce sabor é um veneno????

Mas tem uma explicação, claro! É rápido, prático, barato e todo mundo toma. O roteiro é simples: mercado- geladeira-mesa. O resultado também é simples: celulites, gordura, agitação, diabetes...
Decisão do dia: diminuir radicalmente os refrigerantes!
Não é coisa difícil de cumprir uma vez que o povo daqui de casa ama sucos.
Sempre procurei deixar sucos e chás prontos, geladinhos. O problema é não ter à mão. Aí, apela-se para o refrigerante.

Outro dilema que o mundo moderno traz é esse: livro ou e book?
Sobre isso nem vou discorrer. A Lanynha já fez isso da melhor forma lá na Varanda.
É inegável, para quem gosta de livros, o apelo do cheiro do papel, da possibilidade de rabiscar, anotar ou simplesmente, guardar uma flor dentro de um livro que toca.
Lembro, até hoje da violeta que meus tios Flávio e Fátima colocaram dentro do Livro Planeta Lilás. Ao terminar a leitura e me deparar com aquela florzinha singela, o livro fez-se verdade para mim.
Como também é inegável o apelo do livro digital: fácil de transportar, prático, leve.
Meu querido me deu um reader há um tempinho e não posso negar o quanto gostei. Na verdade, apaixonei! (Cumpre esclarecer que me apaixono fácil pelo que é bom.)
Nele tenho uns 50 livros. Alguns vieram com ele e entraram na minha lista de leitura, outros baixei do domínio público, um site que disponibiliza gratuitamente os clássicos, os livros que já entraram para a categoria de domínio público. Um achado!No meu já estão O Príncipe, Romeu e Julieta, Política e outros tantos... Tarefa impossível de carregar numa bolsa, mesmo que feminina e enorme como são as minhas.
Fica fácil armazenar o Vade Mecum- tortura e peso extra de todo advogado.
Outra facilidade do reader é poder ler, na cama, aquele livro de 600 páginas sem quebrar o nariz ou torcer o pulso. Confesso que já abandonei a leitura de dois ou três livros porque eles insistiam em me machucar.
Por outro lado, mesmo com todos os recursos, não substitui o papel. Bom e velho papel.
No amor, fico com o antiguinho.Entre namorar ou ficar, fico com namorar, casar, ter filhos, netos e viver feliz para sempre. Uma escolha pessoal mas que me faz muito bem.E feliz!
Ter por objetivo constituir uma família foi o que sempre me moveu. Nisso, sou bem antiguinha, assumidíssima!
Aquela coisa de ir ficando para ver se dá certo não passou pela minha cabeça. Queria encontrar meu príncipe encantado.
Outra coisa: sempre detestei a frase do Vinícius "Mas que seja infinito enqaunto dure" . Deixando ao vento, não vai durar. E eu tenho por hábito manter as coisas que amo.Dos livros, às antiguidades, do crochet aos animais. por que seria diferente em relação ao amor? À família?
Então, queridos: gosto de suco e de refrigerante, de livros de papel e digitais, de tricot e de malha. Mas não gosto de relações efêmeras.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Momento Bernardo

Olhem só o menino!
Quando eu ligo o teclado, ele logo arrasta a banqueta, senta e começa a dedilhar.
Fica ali, entretido, aprendendo o som de cada tecla.
Já sabe, por conta própria e de tanto fuxicar, quais botões trocam o som dos instrumentos, onde liga o acompanhamento... Vai longe o B. Vou procurar saber com quantos anos posso iniciá-lo na música. Alguém nesta casa tem que ser pianista! Eu bem que tento, mas acho que tenho mais esperanças no B. Tenho duas mãos esquerdas  rsrs
Mas, se o rapaz não quiser se dedicar à musíca, não ligo. Já é um modelo!
Está muito lindo, não está?

Beijos no coração e uma ótima semana à todos!

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Eu te ofereço pão e vinho

Assim que o Mô preparou o clique eu lembrei de um refrão que sempre me emocionou nas missas: "Eu te ofereço pão e vinho, eu te ofereço o meu amor".
Acho que não preciso dizer mais nada, só a receita.

Pão integral da Bebel ( receita própria)
Misturar:
1 xícara de água morna
1 colher de sopa de fermento biológico  (1/2  sachê)
2 colheres de sopa rasas de açúcar
1 colher de chá de sal
Acrescentar um ovo
Junte à mistura:
2 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de farinha de trigo integral
1 xícara de aveia
2 colheres de sopa de linhaça dourada ( ou qualquer outra farinha)

Na máquina use o ciclo sanduiche ou amasse muito e deixe descansar até dobrar de volume antes de assar.
Fica com uma casca fina e super macio.
Bon apétit!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

E tricotando eu vou...

Fiz esse coletão mas ainda não usei. Não achei legal em mim embora o modelo seja muito interessante.
Na verdade, só depois de pronto é que lembrei que não sou muito chegada a usar coletes. Acho-os lindos, nos outros.





Essa foto mostra o quão fácil ele é.
É, basicamente um retângulo. O segredo é tricotá-lo num ponto que não tenha avesso. Esse eu fiz todo tricot. Para as cavas ( que estão iguais, eu é não arrumei direito) basta arrematar os pontos, terminar a  carreira e depois recolocá-los. É vapt vupt!



Golinha em ponto ventania que fiz para uma amiga. E sim, o tom de vermelho é esse mesmo da foto!!!!!



Aqui eu tentei tirar uma foto de uma golinha gêmea que fiz .
Gorrinhos de criança para dorção. O vinho é uma receita da Ká e o verde é aquele básico 2/2. Só coloquei uma florzinha de crochet para dar um toque.
Bem, por hoje é isso!
Ocorreu um erro neste gadget