segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

E senta que lá vem história


Atendendo aos pedidos da Lany, volto aos looooooooongos posts.

Na verdade não estava escrevendo por falta de tempo mesmo e muito, mas muito cansaço. Andei com umas tonturas e umas fortes dores de cabeça que me deixaram um pouco (mentira, bastante) apreensiva. Mas depois das festas e da comilança, acredito que era apenas exaustão. rsrsrsrs

Então vamos à primeira história familiar.

Quando pequenina passava a maior parte do meu tempo em Minas, com meus avós. E lá, em Além Paraíba, criança fica na rua, soltando pipa, jogando bola e, imaginem, fazendo crochê!
pois é, cresci ( não muito pois ainda sou bem pequenina) numa rua onde passa a linha do trem.
A frente da casa da vó Liquinha (assim que a chamávamos) tinha um pé de manacá lindo lindo. Estava permanentemente florido. Não pergunte como. Só sei que era assim. Vou procurar uma foto que tenho da frente da casa e posto aqui qualquer dia desses.

Você deve estar me achando um pouco doidivanas uma vez que a imagem do post é um cordão, certo?

Bem precisava dar um início para minha história.

O fato é que o cordão daí de cima pertenceu a minha bisa Julieta e eu a conheci numa siuação inusitada. Sem contar que é inusitado você não conhecer a bisa até os seis anos quando ela morava na mesma rua de sua vó. Nunca entendi isso e ninguém sabe me explicar...

Pois é. Estava a brincar com as pedrinhas na linha do trem quando vi uma velhinha, magrinha, mas muito bonita, com um par de brincos que lhe pesavam as orelhas ( hoje os brincos também estão comigo!!!!!!!!!!!) a fazer fuxicos ou rosinhas, como ela chamava.

Achei o trabalho muito lindo. Ela parou, me ensinou a fazer as tais rosinhas e depois saiu a caminhar. Falou-me que ia até a Igreja de São José e convidou-me. Falei que a vovó só me deixava ir até a pracinha...

Entrei correndo para contar para a vó sobre minha nova amizade e o convite.

Ao que ela me respondeu que eu poderia ter acompanhado a bisa Julieta. Tomei um susto! Quer dizer que aquela velhiha muito lindinha era minha bisa?

Aos poucos fui sabendo da vidinha dela. Era muito rica, tinha serviçais que lhe ajudavam a se vestir e tal. Casou-se com um português da Ilha da Madeira que lhe deu 10 filhos. É aí que entra o cordão. A cada filho, a bisa mandava aumentar uma volta no cordão e colocar uma medalha.

O biso levou a bisa à bancarrota e foi-se. Ela, dizem, enlouqueceu e passava o inverno na cama, tal como uma inválida e o verão a andar pelas ruas fazendo rosinhas.

Anos mais tarde o cordão foi dividido entre os filhos. Esse, da imagem é o da minha vó que como foi minha madrinha, entregou-me, em consagração, à N. S. das Graças e me deu o cordão.


2 comentários:

  1. Ai que história linda...se eu não cutuco não sai nada..ela guarda essas coisas só pra ela... kkkkkkkkk
    Ps: nós leitores assiduos passamos diariamente por aqui..o blog então não é mais seu é de todo mundo um pouquinho, que nem o meu.
    Bjkas amiga querida

    ResponderExcluir

Obrigada por passar por aqui e deixar um comentário!

Ocorreu um erro neste gadget