quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Óculos e o Livro das Mil e Uma Noites


A amiga querida Lanynha apresentou um desafio ao Leonardo acerca das Mil e uma Noites. A

primeira lê o ramo sírio enquanto o segundo, o persa.

O desenrolar desse desafio você pode acompanhar aqui e aqui como eu também tenho feito.

Em dezembro eu havia perguntado a Lanynha se ela já tinha lido e a lindinha me mandou fotos dos livros, logo depois nos presenteou com o desafio.

Enquanto isso estava lendo a Noite das Mil e Uma Noites, do Naguib Mahfouz do qual já lhes contei. Livro tão interessante que rendeu horas de debate no quintal ontem. O Naguib usa como pano de fundo e mesmo como inspiração contos das mil e uma noites,mas a história versa sobre o binômio poder/corrupção.

Gente, é assunto que dá panos para manga!!!!!!!!!!!

Muito bom! Valeu cada segundo.

Mas, eu ainda persistia no intento das Mil e Uma Noites e optei pela mesma versão da Lanynha.

Fascinante!

Por conta disso, outra discussão veio à baile. Na sala dos professores, eu contava uma das noites quando surgiram os seguintes comentários:

- Jovem lê pouco

-Não temos literatura nacional para jovens

-Deixem que os meninos leiam Harry Potter ( que aliás, li toda a saga) e Crepúsculo...

Então, no meio disso tudo vi que a questão não é que jovem lê pouco. O fato é que brasileiro lê pouco e acredito que parte disso reside no fato de que temos poucos contadores de estórias. Machado de Assis é, talvez, a grande exceção , José Lins do Rego com a saga do Menino de Engenho em menor escala e , modernamente Ariano Suassuna. A molecada ama.

Não adianta dar Guimarães Rosa para os bichinhos lerem. Não rola. E olha que eu curto o GR.

Isso me faz voltar no tempo uns seis anos, para umas turmas de 3º ano que tive muito especiais.

Trabalhei Era Vargas junto com a professora de Literatura, a Simone, e fizemos uma lista de livros literários que falavam da época ou que foram escritos à época. Como tínhamos um trabalho muito intenso, a molecada topou e leu, ao cabo de dois meses, toda a lista.

Ao fim do período, era quase impossível dar aula porque eles queriam debater todo o tempo, tirar dúvidas, buscar novas fontes...

Toda vez que me recordo disso, lágrimas me vêm aos olhos.

Os lindinhos estão por aí, no mercado de trabalho. E a cada vez que a gente se esbarra tem comentário do tipo: professora, lembra da Era Vargas, do nosso trabalho? Pois é, outro dia blablabla

O que é que paga isso? NADA

Só para finalizar o post: perceberam que tem uns óculos sobre o livro?

Fiquei velhinha! Vista cansada.

Ai sais!

5 comentários:

  1. Olá Izabelle.
    Achei o desafio muito interessante.
    Gostei das suas respostas.
    Abraços.Richard.

    ResponderExcluir
  2. Olá, como está? Sempre que passo por aqui vejo seus comentários sobre este livro ( Mil Noites ), que estou
    tencionando lê-lo, o problema é que aqui na minha cidade não se encontra nada, temos a UFMS e a UEMS e uma particular, FIPAR, talvez encontre na biblioteca das faculdades, em todo caso estou curiosa...sua página está sendo cultura para mim. Beijão

    ResponderExcluir
  3. OLA AMIGA ,

    " Nada me impedirá "

    Nem a tristeza, nem a desilusão
    Nem a incerteza, nem a solidão
    NADA ME IMPEDIRÁ DE SORRIR.

    Nem o medo, nem a depressão,
    Pôr mais que sofre meu coração,
    NADA ME IMPEDIRÁ DE SONHAR.

    Nem o desespero, nem a descrença,
    Muito menos o ódio ou alguma ofensa,
    NADA ME IMPEDIRÁ DE VIVER.

    Em meio as trevas, entre os espinhos,
    Nas tempestades e nos descaminhos,
    NADA ME IMPEDIRÁ DE CRER EM DEUS.

    Mesmo errando e aprendendo,
    Tudo me será favorável,
    Para que eu possa sempre evoluir
    Preservar, servir, cantar,
    Agradecer, perdoar, recomeçar...

    QUERO VIVER O DIA DE HOJE
    COMO SE FOSSE O PRIMEIRO,
    COMO SE FOSSE O ÚLTIMO,
    COMO SE FOSSE O ÚNICO.

    Quero viver o momento de agora
    Como se ainda fosse cedo,
    Como se nunca fosse tarde.

    Quero manter o otimismo,
    Conservar o equilíbrio,
    Fortalecer a minha esperança,
    Recompor minhas energias,
    Para prosperar na minha missão
    E viver alegre todos os dias.

    Quero caminhar na certeza de chegar,
    Quero lutar na certeza de vencer,
    Quero buscar na certeza de alcançar,
    Quero saber esperar
    Para poder realizar os ideais do meu ser.
    ENFIM,
    Quero dar o máximo de mim,
    para viver intensamente
    Dejeso que seu fim de semana seja maravilhoso.
    BEIJOS COM CARINHO.

    ResponderExcluir
  4. Olá Izabelle,
    O nome do blog ficou excelente!!!
    Continuarei sempre passando aqui chez tois!
    Mas é, realmente, o brasileiro é que lê muito pouco, incentiva-se muito pouco, os livros são caros e há escassez de livrarias de qualidade.
    Agora, esse projeto é excelente. Aliás a transversalidade e a multi-disciplinaridade são realidades, infelizmente a Universidade no Brasil ainda é muito lenta nesse tangente.

    Eu realizava uma pesquisa em Arqueoastronomia junto a Köln Universität e a Leicester University, com arqueoastrônomos de lá, só que o trabalho foi mal recebido por aqui, apresentei uma comunicação lá no IFCS e professores depois vinham perguntar-me se eu havia inventado o termo "Arqueoastronomia" e a própria questão de uma fusão entre arqueologia e astronomia foi mal vista pelo pessoal de história que recomendou que eu não falasse mais sobre os elementos astronômicos, fixando-me somente naqueles historiográficos.

    Enfim, seu trabalho com sua turma é um exemplo, e vemos como a transversalidade funciona pelos resultados obtidos.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    "Acho que a televisão é muito educativa. Todas as vezes que alguém liga o aparelho, vou para a outra sala e leio um livro".

    Groucho Marx.

    Genial, este ator estado unidense. A programação da tv aberta brasileira é paupérrima, a única que tem uma programação voltada para o intelecto é a Tv Cultura. Pena que os jovens prefiram a baixaria do Pânico e o BBB.
    Também adoro o José Lins do Rêgo. "Menino de Engenho" é um dos livros fundamentais da minha vida. A forma como ele descreve a infância é lírica, pueril... dá vontade de voltar a ter 8 anos.
    Do J.G. Rosa eu só li os contos... e que contos, não é? "A terceira margem do rio é perfeito". Ganhei de um amigo o "Grande Sertão Veredas", mas não o li ainda. Está guardado, esperando a hora certa. No momento estou lendo "O lustre", da Clarice Lispector.
    Toda vez que venho aqui eu tento ser breve, mas não consigo. Risos.

    Beijão!

    ;-)

    ResponderExcluir

Obrigada por passar por aqui e deixar um comentário!

Ocorreu um erro neste gadget